A Base de Tudo << voltar
autor: Augusto dos Anjos | publicação: 16/12/2009
artigo: A Base de Tudo

A base dos relacionamentos é a amizade. A base dos desencontros é a usura e a inadimplência aos valores.

A base do amor ao próximo é a liberdade de atuação no sentido de ampliar sentimentos, alicerçando-os e comungando-os, penetrando no íntimo de cada ser, em suas múltiplas nuances de vida e visão espiritual.

A base dos desafetos é a falta de liberação de sentimentos e condições íntimas, como estes desafetos se aliam às almas que temem os encontros, que se transtornam por não poderem ser como são, intimamente, encolhendo-se na sua timidez.

A base dos desentendimentos constantes é a falta de paciência e visão em relação ao que se passa dentro deste ser, que se encolhe ou se dilata em suas fortes posturas ou mesmo alienadas posições.

A base de uma comunhão pacífica será o entendimento e a visão de que todos na esfera ainda se sentem culpados e temerosos por alguma razão, sendo que esta razão foi a que os trouxe a uma nova reencarnação.

A base de almas comprometidas com o poder é a grande oportunidade de testarem suas observações à frente de um agrupamento ou de contingências de almas que se aliam por afinidades, como precisam saber, também, avaliar, numa visão mais abrangente, tudo que se encontra sob a sua “batuta”.

A base de irmãos voltados a vinganças são as desavenças íntimas que os cobram por não conseguirem extrair de si os edemas de pretérito ou mesmo de séculos, incutindo-lhes a amargura das cobranças, abraçando, assim, as dores e os rasgos íntimos, fazendo-os sofrer e não conseguir aceitar uma paz maior a perdoar ou até mesmos ver que, talvez, eles próprios é que tenham sido a causa deste sentimento tão destruidor.

A base de uma cultura engrandecedora será sempre a busca pelo equilíbrio e pela harmonia das formas e das fontes desta cultura, que deverá vir arregimentando-se pelos séculos.

A base de todo trabalho regenerador é a força, o otimismo e a boa vontade, para que, na constante labuta, os efeitos possam ser sentidos e dilatados a beneficiar, a compor as necessidades e a trazer a satisfação das plenas realizações conjugadas dentro dos méritos prensados em cada intimidade.


Augusto dos Anjos
Mensagem psicografada por Angela Coutinho em reunião de Evangelho em 16 de dezembro de 2009, Petrópolis, RJ.

Busca Por Texto
Arquivo